John Galliano, o salvador: a moda dura de engolir está de volta

Margiela

Quem se sensibilizou com a estreia de John Galliano na Maison Margiela em janeiro (seu retorno oficial à moda) foi enfático: “a moda está de volta!”, ouvi (e repeti pra sempre) depois da apresentação discreta de imagem potente em Londres. O prét-à-porter seguinte, de verão 2015, construiu mais da fundação da nova era da grife em seu slot original em Parismuito por causa das modelos performáticas que empolgaram os convidados, mas também pela coleção mais desdobrada, próxima do que ganha arara e com assinatura ainda mais forte do estilista. O mercado reagiu: uma notícia recente dá conta de que marca já colhe o crescimento só por causa da visibilidade que reconquistou. Na manhã deste 08.07, chuto que a mesma turma unida por esta história toda ganhou um bom dia excitante ao fazer a ronda matinal (e sonolenta) no Instagram e se deparar com os cliques da segunda apresentação couture (ou Artisanal, como chama lá) da Margiela, agora sim na cidade-luz da alta-costura.

Já que perdi a chance de dizer no desfile anterior, aproveito esta ótima: se a decaída da moda extravagante foi atribuída à saída de Galliano da Dior em 2011, a missão de trazê-la de volta está sendo cumprida, passo a passo, pelo próprio. O fato desta imagem mais criativa e cerebral ter minguado na ressaca do boom digital que escancarou os seus bastidores também não é coincidência. Quando todo mundo teve a chance de olhar tudo ao mesmo tempo, o que é mais difícil de engolir foi perdendo o caldo.

Hoje, é fácil entender a necessidade deste retorno. Pensa no streetstyle: caído. Fala a palavra blog(ueira) perto de alguém que trabalha com moda: espasmos de horror. Tem algum termo de tendência que não faça o seu estômago revirar? Quando tudo foi pasteurizado, a retomada de um pensamento ácido, crítico, vigoroso e, talvez o mais importante, que soe legítimo é recebida com louvor.

Dá até pra pensar em uma conjuntura cósmica para que Galliano na Margiela ganhasse a dianteira: o escândalo midiático envolvendo uma das maiores grifes do mundo e a figura do criador de moda mítico, o efeito celebridade que assola qualquer estilista hoje em dia e a espetacularização do grande retorno; todos são fatores para que o caso ganhasse projeção. Aí, na iminência do desgaste do “falar de moda”, a coleção tão celebrada, acompanhada por todo mundo que segue o assunto em tempo real, fala, justamente, de moda, numa casa que passava por um período insosso depois de perder seu líder que gostava de fazer roupa que, bem, falava de moda (difícil pensar que ele teria voz tão potente em qualquer outra grife; imagina se tivesse ido para Oscar de la Renta?).

Alta-costura cabeça: entenda a importância da moda difícil de John Galliano na Maison Margiela

A coleção nova se aprofunda na conversa. Numa temporada em que a tradição da couture é exaltada e explicada desfile após desfile através da valorização dos códigos ou da expertise histórica de cada uma das grandes casas, Galliano desenvolveu sua narrativa (sim, sobre moda) de maneira mais avançada na passarela couture de inverno 2015. Dissecou fases da construção de uma roupa (transformadas em peças prontas), desmembrou imagens marcantes de seu passado (o tailleur de jaqueta bar é a brincadeira mais afiada), questionou (como a grife já faz há tempo) o valor luxuoso de matérias-primas de baixo calão, desfilou rolo de tecido e construiu um longo de entretela. Até a noiva, entrada final apoteótica em todo desfile de alta-costura, foi reciclada e ganhou longo de modelagem complexa com acabamento plástico.

A resposta a este tipo de trabalho é exatamente como você espera: elogiada com ânimo por quem está atrás de moda e ironizada prontamente por quem está atrás de outra coisa (existe algum jeito de falar disso sem ser partidário ou saudosista?). Estou jogando as fichas no Galliano, mas, como toda boa virada, o fenômeno não é isolado. Pensa no caráter cada vez mais divisor do trabalho da Comme des Garçons dos últimos anos ou, pra usar grifes de “roupa de verdade” (qual dessas não é?), na recepção barulhenta (para o bem e para o mal) do verão 2015 da Céline ou da Proenza Schouler.

Nossos tempos são da pluralidade, não são? Não é por isso que a gente elogia a democratização do acesso à informação de moda? Assim, a briga não é pelo lado mais legítimo — até porque um só existe se estiver em diálogo com o outro; na moda, a relação entre criatividade e mercado é de mutualismo, não de concorrência. Só que a balança andava pendendo muito para um lado só. Ainda bem que o que sobe agora é justamente o lado que a gente mais gosta (ha!).

Alta-costura cabeça: entenda a importância da moda difícil de John Galliano na Maison Margiela