Globo de Ouro 2018: primeiro a mulher, depois o look

Time completo de “Big Little Lies”, premiada com o título de Melhor Minissérie: Laura Dern, Nicole Kidman, Zoe Kravitz, Reese Witherspoon e Shailene Woodley.
Time completo de “Big Little Lies”, premiada com o título de Melhor Minissérie: Laura Dern, Nicole Kidman, Zoe Kravitz, Reese Witherspoon e Shailene Woodley.

Entre look preto atrás de look preto, coube aos espectadores a missão de encontrar riqueza nas diferenças que extravasavam a cor-uniforme imposta. Aos poucos, o turbante, o look igualitário 50% masculino 50% feminino, a malha metalizada, a manga-armadura, a renda elegantemente contemporânea, a silhueta império, babydoll ou o terno de traços suavizados comunicavam o que a ausência de menções à grifes e designers tirou da conversa.

Novos acessórios entraram também em cena: o histórico profissional, a sinceridade do discurso, o lugar de fala, o grau de conivência com quem “abusa, mas nem tanto”, o silêncio ou o apoio do colega masculino, a responsabilidade embutida em cada cumprimento, as estruturas que se defende, a reação às falas, a equipe com quem se trabalha… enquanto o preto “emagrecedor e elegante” homogeneizou vozes múltiplas, suas distinções tornaram mais reais, na medida do possível, mulheres que usam o estilo como plataforma extra de discurso. Tem papel mais importante para a moda, seja na esfera estrelada ou no look do dia, do que este?

O papel do designer ou da grife também sofreu mudança. Nomes dos mais interessantes do alto escalão fashionista brilharam ao entender que, no final das contas, uma boa roupa precisa estar em função da mulher, e não o contrário. Sem display imediato, vestiram causas, campanhas e ativistas de estilo que trilham caminhos muito mais brilhantes por conta própria do que com o apoio da bengala do fashionismo dialogando não só com as medidas do corpo, ainda tão restritivas, mas também com os preceitos que as sustentam enquanto profissionais. Não é coincidência que os resultados de maior sucesso da noite no quesito estilo podem ser agrupados também pelas conquistas de destaque legítimo de suas donas, novidade ótima em um segmento tão carregado de vícios antigos.

Oprah, depois de receber homenagem especial com prêmio Cecil B. DeMille e discurso emocionante
Oprah, depois de receber homenagem especial com prêmio Cecil B. DeMille e discurso emocionante

Moda aliada ao discurso de quem a veste, feita para quem está disposta a propôr diálogos pertinentes e urgentes sobre o universo que a rodeia sem afetação marqueteira em primeiro plano? Parece que a receita para colocar certos problemas da alta moda nos eixos é um bom susto. Estava mais do que na hora!

Compilo, na sequência, dez nomes da moda (seis mulheres e quatro aliados) que merecem menção pelos looks da noite passada e pelas narrativas tanto das grifes que lideram quanto das mulheres que vestiram.



CONTINUE A LEITURA >>>