Emmy 2015: as grifes ainda não querem saber de ver televisão

emmy-2015-kerry-washington-marc-jacobs-taraji-p-henson-alexander-wang

A moda no tapete vermelho do Emmy é tão deslocada quanto a própria festa. A noite que celebra os nomes da televisão acontece distante da temporada de tapete vermelho do início do ano, depois do “vale tudo” do VMA e das grandes turnês de premières do verão norte-americano. Pega as principais grifes do mundo em período turbulento: a semana de moda mais próxima, em Nova York, acabou de acontecer; na Europa, todos estão entre ajustes ou desfiles. O resultado? O potencial fashion mais insosso das premiações.

Quem acompanha red carpet nas redes sociais quer deslumbre. Bonito é pouco; a concorrência imagética é tão forte que arrombo é que vira meme, para bem ou para o mal. Aí, o Emmy esbarra em outro problema. A moda (ou a categoria de casas que sabem fazer história nos looks de premiação), por incrível que pareça, está atrasada; ainda não se deu conta da revolução pela qual a televisão passou. Para elas, as atrizes das telas menores fazem parte de uma segunda liga; quem merece look exclusivo é estrela de cinema.

emmy-2015-kiernan-shipka-dior-laverne-cox-calvin-klein-maggie-oscar

Repare nos créditos, de look e de tela, das mais gatas deste ano. Taraji P. Henson encarna a durona (e deliciosa) Cookie depois de despontar no oscarizado Hustle & Flow e ser indicada em 2009 por O Curioso Caso de Benjamin Button; assim, fez por merecer para entrar no pretinho exclusivo (e de atitude) de Alexander Wang (dobradinha notável). O mesmo vale para Kerry Washington: apesar do sucesso de Scandal, é de Django Livre que veio o status para vestir um Marc Jacobs de três dias de idade, fresquinho da passarela de verão 2016 da marca. Naomi Watts, que acompanhava o marido da TV com um Dior tomara-que-caia, ganhou no crédito até da mulher mais bem paga da televisão, Sofia Vergara, num tomara-que-caia metálico, do jeito que ela gosta, da discreta St. John.

A história pode mudar se seu quociente fashion já estiver consolidado. Caso de duas exceções das mais legais: Kierna Shipka, xodózinho adolescente da moda agraciada com vestido + calça de alta costura da Dior, e Laverne Cox, a atriz de maior projeção fashionista (ainda que seja uma das coadjuvantes) de Orange is the New Black, linda num Calvin Klein minimal geralmente reservado a atrizes-sensação tipo Jennifer Lawrence (em seu primeiro Oscar) ou Lupita Nyong’o (no segundo). Nem um Stella McCartney daqui (na solar Taylor Schilling) ou um Armani Privé exclusivo (na Jaimie Alexander) de lá deram conta de salvar a “grande noite da televisão” do meio-termo. Que venha o Globo de Ouro!

emmy-2015-jaimie-alexander-armani-taylo-schilling-stella-mccartney

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.