Bandeira branca: o verão 2015 de Craig Green

craig_slider9349843

Craig Green foi uma das sensações da crítica durante os desfiles masculinos da semana dedicada às novidades deles em Londres, em junho. Dono de uma lista de respeito de premiações, o estilista e diretor de arte passou pelo mestrado da Central Saint-Martins (sob a tutela de Louise Wilson) e participou por três temporadas (o tempo padrão) do desfile coletivo do MAN (projeto da Topshop + Fashion East, uma espécie de incubadora de novos talentos), além de um escândalozinho próprio quando David Gandy, embaixador da semana de desfiles masculinos, insultou o seu trabalho e o de mais uma marca line-up do evento (ui).

Quem acompanhou a cobertura live (de cliques borrados) no Instagram de sua estreia em slot solo já sacou que alguma coisa de especial havia acontecido; foram inúmeros os relatos das lágrimas dos convidados ao final do desfile. Horas mais tarde, os elogios estavam todos dispostos em cada uma das críticas e, dias depois, em muitos dos resumos da temporada que apontavam Craig como um de seus destaques.

craig_green_spring_2015_04

O sucesso poderia ter sido ainda mais barulhento (como sempre acontece com alguma revelação de fachada em uma fashion week), mas um desfile que procura realizar um protesto silencioso e é tão aclamado pela leveza das roupas e pela clareza de seu discurso não dá conta, hoje em dia, de competir de maneira tão eficiente com os desfiles espetaculosos cheios de looks prontos para qualquer fashionista-homem-pavão (do jeito que os fotógrafos de streetstyle mais gostam). A contradição de fazer barulho pedindo menos barulho só deixou a conversa sobre o verão de Green ainda mais interessante ao longo das semanas seguintes.

Este tipo de desfile — Tim Blanks abriu sua resenha o chamando de um “momento fashion genuíno, tão raro que estes podem ser tomados até como lendas urbanas” — exige dedicação extra para olhares não tão sagazes como o de Blanks; eu passei semanas indo e vindo na galeria de looks querendo captar os detalhes que ganharam tanta reverência ao mesmo tempo em que me via obcecado pelas imagens tão frescas e delicadas de cada entrada.

craig_green_spring_2015_01

Tem muito assunto pra desvendar ali: elementos de proteção, com os casacos amplos e inflados em listras tipo risca de giz 3Ds, as sobreposições justas versus os looks desabados e amplos em branco e azul, meio pijama meio uniforme de manicômio com tantas amarrações ao longo de todas as peças. E mais: as armações de madeira, carregadas por modelos encerrando cada um dos blocos da coleção (e que já fazem parte do trabalho de Craig, mas antes com intenções mais nervosas) viravam uma espécia de barraca ambulantes que poderiam resguardar o seu grupo de homens tão vulneráveis e sensíveis.

Teve roupa também: além dos casacões (peças que parecem especialidade de Craig), as camisas, os tricôs, as calças molengas amplas e o bloco em jeans davam realidade a história tão boa contada enquanto peças mais arrojadas e o styling reforçavam o protesto pacífico do estilista.

craig_green_spring_2015_07

Imaginar a coleção reunida na fila final (para quem vive aqui de fora da sala de desfile) serve como exercício para imaginar uma realidade zen, livre desses absurdos ruidosos sob os quais nós estamos sujeitos o tempo todo. Green contou em entrevistas que um ponto de partida foi um desses vídeos que ganham status de viral (por uma semana) de uma muher americana atacando o caixa de um Mc Donald’s em um acesso de raiva — quer situação melhor, repleta de subtexto e pronta para ser usada como contraponto para o desfile?

E como quem acompanha desfile por uma fonte só perde um tanto de informação, seguem os textos e detalhes mais legais sobre essa coleção tão marcante mais galerias de fotos de outros ângulos para conferir direitinho os detalhes desta coleção tão marcante; nos links abaixo:

// At London Men’s Fashion Week, Designers Fly the Flag for Individuality (NY Times)
// Balance, proportion and focus at Craig Green (The Cutting Class)
// The Cult of Craig Green (texto + fotos) (AnOther)
// Green’s breathtaking silent protest leaves the audience in awe at his first solo show (texto + fotos) (Dazed)
// The Cult of Craig is about to explode“, do Tim Blanks (Style)

craig_green_spring_2015_03

craig_green_spring_2015_06

craig_green_spring_2015_02

green329832