Balenciaga, verão 2017 masculino: o novo culto à moda

Balenciaga, verão 2017 mascul
Balenciaga, verão 2017 masculino

Foi prometido como um reboot; desavisados anunciaram a estreia de Demna Gvasalia no masculino da Balenciaga como o début da grife para eles. Não era. Nicolas Ghesquière fazia, Alexander Wang também. Os códigos da casa (deles) estavam no desfile dessa quarta-feira (22.06) na cobertura do colégio Saint-Louis de Gonzague, em Paris: coleção sisuda, foco na roupa que se usa por fora, tons sóbrios e passadas firmes (ainda que este tenha sido o primeiro desfile de fato da linha) de toada futurista e formal do histórico recente.

Terminada a lista do passado, rumo ao presente (que na verdade é para estação futura): Demna se mostrou consciente de que o trabalho na grife é norteado pelo luxo, com referências obrigatoriamente elevadas para além do streetwear que lhe tornou famoso. O homem Balenciaga não veste agasalho, ainda que suas camisas ganhem elástico tipo jaqueta na barra. Veste terno, casaco, carrega pasta; tem na alfaiataria precisa a expressão de seu status. Só que a formalidade de fashionismo enganoso, vista em profusão nos tantos desfiles de semanas italianas e parisienses, não daria conta do histórico secular da casa (ainda que moda masculina não seja um dos pilares originais da maison); esta mal consegue sair de fato, depois de tantos anos, do plano das ideias. A incursão aqui precisaria ser completa, com alto fator de subversão, marco (já) do trabalho do estilista georgiano.

balenciaga verao 2017 masculino semana de moda de paris

Ela veio pela revisão dos elementos que definem a construção do rigoroso traje masculino; os homens que sobreviveram a tanta transformação recente estão interessados em novos aspectos de luxo. Beleza em seu sentido clássico, por exemplo, não importa. As proporções masculinas ideais, dessas vendidas por quem sobrevive de imagem fácil, foram repensadas através do trabalho primoroso de construção dos ombros, ponto focal do designer. Sem escala, foram dos mais proeminentes (dá pra fazer um link com a Maison Margiela, casa anterior de Demna), aos mais recolhidos, de proporções quase pré-púberes. Onipotente ou intimidado, nenhum homem entrou ileso na passarela.

13483210_1085938151492457_4510498124351526655_oQuem só passeou pelos cliques do Instagram perdeu uma das informações mais legais do desfile, a de que ele foi aberto por uma jaqueta de arquivo, iniciada por Cristóbal Balenciaga e terminada por Gvasalia; o cartãozinho no bolso, que tradicionalmente levava as medidas do comprador no mecanismo de atendimento privé, deu o tom de alta costura masculina. Assim, faz sentido o foco nas mangas e nos casacos, fixações do estilista espanhol.

O efeito é desconcertante (ainda bem): as posturas do grupo que ganhou a passarela a passadas velozes foram reconfiguradas pela moda, pela modelagem precisa, pela construção, e não (só) pela atuação superficial dos modelos-meio-que-não-modelos-ou-não. Na parte de baixo, o traje social ganha mais uma tentativa de renovação: calças sociais são substituídas por bermudas secas, mas muito secas, usadas com botas futuristas de cano alto — atenção à ideia mais improvável (e deliciosa) dos modelos em branco. Outra alternativa transformava a figura dos modelos em caricaturas, com calças amplas de cintura alta combinadas com tops encurtados. Houve, ao longo de todo o desfile, algum corpo que não sofreu com a dinâmica das roupas que vestiam?

É notável também o exercício sobre formalidade daqui, como se a Vetements cuidasse do guarda-roupa casual e à Balenciaga ficasse a responsabilidade de renovar os códigos de elegância. O que responde, de forma ainda mais direta do que na coleção feminina, à dúvida de como o estilista dividiria uma visão entre duas grifes distintas. A etiqueta herdada é tão sagrada para o designer em sua primeira incursão masculina que o clímax da coleção se deu na repaginada de trajes eclesiásticos, tomados como símbolos máximos de respeitabilidade. Três motivos podem ser apontados para a escolha: a hegemonia ortodoxa de seu país de origem e a devoção de Cristóbal à Igreja Católica são duas opções.

balenciaga verao 2017 masculino semana de moda de paris 2

A terceira, tomando um pouco de liberdade aqui, vem da sensibilidade de que o que Demna comanda, com seu sucesso, é uma nova ordem de estilo. Ele é, sem dúvida, um dos estilistas mais cultuados atualmente. Seus mandamentos, ainda que não pareçam inéditos para iniciados, agrupam seguidores ávidos por novidades. As propostas que Gvasalia enuncia nos últimos meses ao mercado também começam a reunir legião de convertidos, vide o efeito das escolhas sobre o calendário de coleções que passa a colocar em prática em julho próximo. Com isso em mente, fica mais fácil acreditar na ideia dos trajes de inspiração religiosa que encerraram a apresentação. A abordagem destes elementos também ajuda: tecidos do mesmo fabricante do Vaticano (name-dropping dos mais improváveis) dão acabamento precioso aos conjuntos, enquanto as estolas típicas de cargos da hierarquia clerical, só que em versão míni (para deixar a conversa mais esperta), despontam como acessório hit.

A referência (e reverência) não é gratuita. Em menos de dois anos, Demna enfrenta o desafio de extrapolar os domínios de sua doutrina para uma das esferas mais sagradas, a da moda parisiense. O imaginário religioso já serviu de instrumento para impulsionar, às avessas, correntes subversivas das mais diferentes artes. É uma surpresa boa que o trabalho da coleção masculina, geralmente relegada a segundo plano, ganhe as alturas desta maneira. Depois de 34 looks corridos, é revigorante ser lembrado de que, por mais importante que seja o respeito às instâncias superiores, a tradição só é rompida, de fato, com um pouco de profanidade. Amém!

Balenciaga, verão 2017 masculino. Foto
Balenciaga, verão 2017 masculino. Foto via Now Fashion.